A Cidade

ASPECTOS GERAIS

Segundo informações da Fundação Seade (Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados), o município de Saltinho, que integra a Região Administrativa de Campinas, possuía, em 2000, 5.799 habitantes. A última contagem de moradores, no entanto, foi realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e corresponde a 6.586 pessoas (os dados são de 2007).

Ainda segundo a Seade, uma análise das condições de vida dos habitantes mostra que os responsáveis pelos domicílios ganham, em média, R$ 885, sendo que 35,7% recebem no máximo três salários mínimos (as informações são de 2003, data em que foi divulgado o Índice Paulista de Responsabilidade Social).

Esses responsáveis por domicílio possuem, em média, 5,7 anos de estudo, 30,2% deles completaram o ensino fundamental, e 4,6% são analfabetos.

Em relação aos indicadores demográficos, a idade média dos chefes de domicílios é de 47 anos e aqueles com menos de 30 anos representam 12,5% do total.

As mulheres responsáveis pelo domicílio correspondem a 11,3% e a parcela de crianças com menos de cinco anos equivale a 6,6% do total da população.

De acordo com o Índice Paulista de Responsabilidade Social (IPRS), pesquisa da Fundação Seade em 2002, nas edições de 2000 e 2002 do IPRS, Saltinho foi classificado no grupo 1, que agrupa municípios com altos níveis de riqueza e bons indicadores sociais.

Os níveis de longevidade e escolaridade situaram-se em patamares bastante superiores às respectivas médias estaduais, enquanto o de riqueza manteve-se inferior ao valor do Estado.

Em comparação com as demais cidades paulistas, Saltinho ocupa a 122ª posição no índice de riqueza, 138ª posição para o quesito longevidade e 37º lugar em escolaridade.
6.586 (contagem de 2007 pelo IBGE)

Evolução da população: em 1996, haviam 5.252 habitantes e em 2000, o número saltou para 5.799 moradores

Área da unidade territorial: 101 quilômetros quadrados

Gentílico: saltinhense

Vegetação dominante:
Cerrado e Mata Atlântica

Topografia:
Plana

Altitude: 580 metros

Latitude: 22º/43m-sul

Longitude: 47º /25m-oeste

Hidrografia: Córrego Saltinho

Atividades econômicas: agricultura,extração de calcário, industrias e comércio

Divisão de moradores por sexo e idade

85 a 89 anos – 12 mulheres e 4 homens
80 a 84 anos – 18 mulheres e 31 homens
75 a 79 anos – 25 mulheres e 47 homens
70 a 74 anos – 78 mulheres e 43 homens
65 a 69 anos – 73 mulheres e 46 homens
60 a 64 anos – 102 mulheres e 96 homens
55 a 59 anos – 75 mulheres e 87 homens
50 a 54 anos – 207 mulheres e 234 homens
45 a 49 anos – 187 mulheres e 197 homens
40 a 44 anos – 205 mulheres e 232 homens
35 a 39 anos – 236 mulheres e 202 homens
30 a 34 anos – 217 mulheres e 195 homens
25 a 29 anos – 238 mulheres e 258 homens
20 a 24 anos – 271 mulheres e 280 homens
15 a 19 anos – 298 mulheres e 284 homens
10 a 14 anos – 234 mulheres e 286 homens
04 a 09 anos – 209 mulheres e 209 homens
00 a 04 anos – 191 mulheres e 193 homens



HISTÓRICO DETALHADO


As informações sobre a origem do município estão presentes no livro “Saltinho – Dados Históricos”, lançado em 1982 pelo professor Moacir Nazareno Monteiro.

De acordo com ele, por volta da segunda metade do século 18, o Governo do Estado de São Paulo (na época chamado de Província) fez diversas doações de terras devolutas (terrenos públicos, ou seja, propriedades públicas que nunca pertenceram a um particular mesmo estando ocupadas).

Entre estas terras estavam as que abrangiam o município de Piracicaba e diversas sesmarias (uma sesmaria equivale, em São Paulo, a 6 mil alqueires de terra).

Parte destas sesmarias foram doadas ao major Fernandes, da família Ferraz de Arruda Pinto. Para habitar e usar suas terras, o major contratou serviços que foram pagos com lotes de terras.

Com isso, núcleos familiares surgiram e com o crescimento destas famílias, as terras foram divididas, tendo início a Vila de Saltinho.

Entre os primeiros moradores de Saltinho estava o senhor Antônio Custódio, que possuía 36 alqueires de terra sob sua responsabilidade e que construiu as primeiras casas, em barro, madeira e cobertura de sapé (segundo Moacir Nazareno, presumia-se, em 1982, que isso havia ocorrido há mais de 100 anos).

Antes de 1880, por sofrerem com diversas crises, certos países europeus facilitaram a imigração de seus habitantes e muitos deles vieram para São Paulo, ainda na condição de província, e que precisava de mão de obra para o desenvolvimento da agricultura.

No caso de Piracicaba, parte considerável dos imigrantes foram provenientes da Itália, que se dedicaram inicialmente às lavouras cafeeiras e depois ao comércio e à indústria. Dessa safra estava a família de Francisco Libardi, os Agneli e Silvestre Perina, este último responsável pela construção da antiga Igreja Matriz e pela doação de terras para a construção do cemitério. Estas três famílias se dedicavam, principalmente, ao cultivo de café, uva e à produção de vinho. Depois delas vieram ainda os Pivetas, os Bernadino, os Sturion, os Salvador, os Renzi e os Barrichelo.

Era costume festejar-se a Santa Cruz (no noite do dia 2 para a madrugada de 3 de Maio), festa profana que reunia cantadores de cururu com suas rimas em torno de assuntos diversos (de religiosos a familiares), que muitas vezes acabava em briga. Certa vez, em uma das rodas de cururu, foi morto um membro da tradicional família Custódio, que recebeu uma facada e só foi encontrado dois dias depois. No local onde acharam seu corpo foi erguida uma capela de Santa Cruz. Em 1938, o Vigário recém empossado proibiu a Festa na Praça Matriz da Cidade.

Os imigrantes, unidos aos antigos moradores, resolveram dotar a Vila de uma Igreja mais condizente com o desenvolvimento, criando em 7 de março de 1937 a Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, instalada em 28 de janeiro de 1938.

Saltinho foi elevado à categoria de Distrito pela lei número 1.886 de 8 de dezembro de 1922, instalando em 5 de abril de 1923. Por questões políticas da época, em 13 de dezembro de 1929 o Distrito foi anexado ao município de Rio das Pedras, gerando revolta da população, que lutou para sua volta a Piracicaba, o que aconteceu por meio do decreto lei número 9765 de 31 de março de 1948.



FESTAS TRADICIONAIS

19 de maio
Aniversário da cidade

30 e junho
Dia do Sagrado Coração de Jesus



HINO DO MUNICÍPIO DE SALTINHO

Povo altivo de nobre passado
És, Saltinho, uma rica promessa,
Uma vida que em sonho começa,
Belo sonho afinal realizado.
Passos firmes buscando o futuro,
Devancio de gente feliz,
Marcha excelsa, idealismo mais puro,
Um pendão de esperanças gentis.

II
Eis à frente um caminho de luta,
De trabalho, de esforço e vontade.
Dos teus filhos porém é vaidade
Conquistar a vitória impoluta.
O progresso, a grandeza, a cultura
São fanais do teu belo porvir.
Nos teus campos, da cana a cultura,
Nos teus lares, a amor a sorrir.

III
O amanhã que te espera tem brilhos
De uma aurora de encantos sonhados.
O Astro-rei aquecendo os telhados
Ilumina o valor dos teus filhos.
Desse templo que se ergue na praça
Descem bênçãos de luz divinal,
Como um rio de crença e de graça,
Saltinhense, à vitória final!

"Amizade" - Saltinho
Letra: Lino Vitti
Música: Vicente Gimenes


Fonte: http://www.camarasaltinho.sp.gov.br

Edição Digital Folha de Saltinho

Previsão do Tempo

Relógio

Contador de Visitas

22006
HojeHoje26
OntemOntem32
Esta semanaEsta semana255
Este mêsEste mês357
Todos os diasTodos os dias22006